Proposta Pedagógica

/Proposta Pedagógica
Proposta Pedagógica2018-12-11T12:48:46+00:00

Concepção Político-Pedagógica

A Sarapiquá trabalha com conceitos pedagógicos embasados no Sócio-construtivismo, que veiculam fundamentos construtivistas e interacionistas ao compreender que sujeito-meio-sujeitos estão em relação constante. O sujeito se faz no meio e entre/com sujeitos, em interações contínuas, dinâmicas e instáveis. O desenvolvimento humano ocorre em redes de relações, de aprendizagens, interações e ações.

Na Escola, esses processos são vividos e acompanhados pela atuação e reflexão dos sujeitos envolvidos, amparados por planejamentos, registros, avaliações e encaminhamentos pedagógicos.

Também, os debates e estudos sobre a Filosofia das Diferenças tem se colocado nas reflexões e práticas da Escola, ao trazer o paradoxo como  elemento constituidor das relações humanas. Para tanto, há que se buscar uma prática de si, um cuidado de si e assim, o cuidado com o outro, com os outros. A Escola deve e pode buscar ser um lugar de proposição de encontros e de composições.

Eixos Temáticos

A proposta de eixos nasceu no ano de 2002, gerada por discussões sobre vida de grupo, sobre a visão político pedagógica da escola e a estruturação curricular (as escolhas que fazemos por este ou aquele conteúdo curricular) e a importância do estudo e da pesquisa na constituição da vida profissional de ser professor.

Desde então, a cada ano é definido um eixo temático que fundamenta projetos e práticas desenvolvidas na escola, nas diversas turmas.  A título de informação seguem os eixos:

2002 – Ética, Democracia e Participação

2003 – Autoridade e Registro

2004 – Disciplina e Liberdade

2005 – Ética e Estética

2006 – Ética, Estética e Meio Ambiente

2007 – Estética, Meio Ambiente e Alteridade

2008 – Meio ambiente e Alteridade

2009 – Meio Ambiente, Linguagens e Didáticas

2010 – Linguagens, Didáticas e Planetariedade

2012 – Ser, Saber, Fazer

2013 – O ato educativo como encontro

2014 – Composições

2015 – Composições nas Cidades – Lugares de Afectos

2016 – Olhemos a Cidade – Lugar de Afectos

2017 – Práticas Coletivas

2018 – Práticas Coletivas

2019 – Vida de Escola – Estudar e Significar

Em 2019, a intenção pedagógica é fortalecer o lugar e a função que a escola ocupa para a formação de sujeitos que pensam, sentem, expressam, convivem…
“a escola é o tempo e o espaço da separação das lógicas da produção (das necessidades e das constrições do trabalho); o tempo e o espaço do estudo e do exercício (de aprender por aprender); o tempo e o espaço da igualdade (cada um é escolar, como os outros…)” Jorge Larrosa.
O estudo tem sua significação na busca pelo saber, pela compreensão e pelo livre pensar; é quando os estudantes dialogam com as inúmeras possibilidades que o mesmo permite ao exercitar a observação, a contemplação, a imaginação e a recriação presentes nas perguntas sobre a existência. Perguntas que instigam o pensar, que anseiam por conhecimentos, por pausas, por respostas.

Isto tudo é estudar. E estudar é conteúdo de vida de escola, traduzidos no cotidiano da sala de aula, através de seus projetos e ações. A escolha por este eixo vem valorizar práticas escolares responsáveis e prestigiadoras da vida democrática e saudável.

Pedagogia Ensino Infantil e Fundamental – Escola Sarapiquá

Concepção

Numa sociedade de muitas possibilidades profissionais e culturais, marcada por constantes mudanças, os conteúdos trabalhados numa escola não podem estar fechados em si mesmos, dados somente pela memorização. Necessitamos fazer de nossos alunos pessoas capazes de enfrentar situações e contextos diversos, que requerem a solução de diferentes problemas, aprendizagens de conceitos e idéias novas.

Na Sarapiquá, investimos na idéia de que o aluno aprende a pensar e produzir de maneira crítica e criativa. Para isso, a escola fundamenta teoricamente sua prática numa concepção que chamamos “sócio-construtivista”, por trabalhar com fundamentos do sócio-interacionismo e do construtivismo.

 

Filosofia das diferenças

A filosofia das diferenças trouxe para a vida da escola a necessidade de se conviver com o paradoxo. Temos uma formação sim, mas ela convive e precisa conviver com a deformação. Ao olhar, pensar na deformação é ver a si mesmo e ver a si mesmo é cuidar-se.

Cuidar-se é para além da forma, é para a “desforma”. O conteúdo não é a forma e sim as não-formas ou as tantas formas do ser. Para tanto há que se buscar uma prática de si, para um cuidado de si – não de maneira narcísica –  e assim do outro, do “outros”. Preparo-me para o devir cuidando de mim mesmo.

Nas perspectivas da filosofia das diferenças a Escola deve, pode buscar proporcionar encontros. Encontro de corpos que se impliquem, que se contagiem.

 

Lanche Coletivo

O lanche coletivo sempre esteve presente no nosso fazer pedagógico, desde a fundação da escola. A cada dia, um aluno traz o lanche com frutas, suco e um complemento doce ou salgado, para todo o grupo. Do Infantil II ao 9º ano, no momento do lanche sempre está implícito o ato de compartilhar, de estar junto.