Educação Infantil

/Educação Infantil
Educação Infantil2018-11-13T19:56:13+00:00

Vida de criança na Sarapiquá

Brincar é uma das linguagens da criança nos seus diálogos com o mundo. Da casinha ao lobo, à bruxa, à fada, aos heróis; da fala, à imitação, ao desenho e à escrita, as crianças vivem o desafio e o prazer de aprender, de apropriar-se do mundo que a cerca e contém. Ao brincar também vão constituindo a autoridade de estudante, construindo autonomia e identidade, percebendo quem são, como se assemelham e se diferenciam do outro. Encantam-se descobrindo cada cantinho desse espaço.

Os momentos vividos aqui são orientados por uma rotina que propõe a participação, que pauta-se em combinados e situa a criança no tempo e no espaço. O dia começa com a roda, momento da confirmação da presença e do planejamento para o dia. Passa para a atividade, que pode estar relacionada ao projeto de trabalho, ou a um outro tema que o professor avalia importante, considerando os conteúdos próprios da turma e do momento do desenvolvimento dos alunos.

Depois é a hora do lanche: momento de entrega, de compartilhar. Ritual do comer junto, apreciar o alimento, aprender sobre ele. Momento da escolha do ajudante, importante vínculo para a criança que oferece o lanche naquele dia. Momento de ser solidário, de aprender sobre esses valores para a vida. Depois da higiene, as crianças vão ao pátio: hora de descortinar o mundo, real e imaginário. Hora de brincar junto, correr, escorregar, enfrentar desafios.

De volta à sala, vivem o momento da história na roda final: hora de esperar os pais, de despedir-se, de avaliar, de construir o vínculo e o desejo de voltar.

A vivência na escola infantil é um processo marcado pelo crescimento, experienciado com intensidade nos limites, no afeto, no lúdico e na potencialidade de cada criança, no que ela é capaz de fazer e de aprender.

Adaptação, um processo vivido por todos

A escolha está feita, a matrícula efetuada, as férias acabaram e, finalmente, chegou a hora. E agora? Como vai ser a despedida? E se ele não quiser ficar? E se ele chorar? E se eu chorar? Afinal, o que é a tal adaptação? E nós, o que devemos fazer? Quanto tempo isso vai durar?

Estas dúvidas, mais do que normais para os pais, são habituais em todo começo de semestre na escola, que se prepara e se transforma para receber seus novos alunos, o novo grupo. Os educadores definem este processo como adaptação, e dele fazem parte a construção de rotina, a apropriação de espaços e, principalmente, o estabelecimento de vínculos.

A criança reage a esta vivência de diversas formas, mas o conflito básico é o mesmo: o deslumbramento e o medo provocado perante o novo, alimentado de fantasias de abandono. A separação dos pais é o grande desafio. Na verdade, esta separação começa no nascimento, dando início a um longo processo de diferenciação, que é uma tarefa nada simples para o bebê – e, muitas vezes, também para a mãe -, mas fundamental para a sua vida. Afinal, temos de nos adaptar sempre que passamos a fazer parte de um novo contexto, em vários momentos da nossa vida, mas vale lembrar que quanto menor a idade, mais intenso o processo.

Como pais amorosos, o nosso impulso é o de suprir as faltas dos nossos filhos, evitando a frustração, o desconforto, o sofrimento. Mas é justamente com a experiência da falta que a criança vai construindo o seu EU, percebendo-se como um indivíduo, construindo estruturas fundamentais para a sua vida e capaz de superar frustrações. Por isso, é preciso que educadores, funcionários e pais estejam preparados e abertos à esta vivência.

Brincar

Ao brincar a criança imita, imagina, representa e comunica, de uma forma própria, que uma coisa pode ser outra, que uma pessoa pode ser um personagem, que uma criança pode ser um objeto ou um animal. Brincar é uma atividade interna da criança, baseada no desenvolvimento da imaginação e na interpretação da realidade, sem ser ilusão ou mentira.

Na Escola Sarapiquá, consideramos que a criança aprende através da brincadeira. Ela age em função da imagem de uma pessoa, objeto e de situações que não estão imediatamente presentes e perceptíveis à ela. A brincadeira funciona como um cenário no qual se criam condições para que atue, a partir de um nível potencial de desenvolvimento, e elabore seus conhecimentos de forma própria.

Segundo os parâmetros curriculares, o brincar se define em três modalidades básicas: o brincar de faz-de-conta ou com papéis – considerada como atividade fundamental, da qual se originam todas as outras – brincar com materiais de construção; e o brincar com regras. Essas três dimensões, bastante amplas, tentam dar conta dos momentos e movimentos em interação com a brincadeira, o brinquedo, o jogo simbólico e a mediação do adulto, professor, das experimentações no âmbito da escola.
Na brincadeira, a criança experimenta a autoria em suas ações, escolhendo, elaborando e colocando em prática suas fantasias e conhecimentos. Nesses momentos, o professor observa e faz intervenções provocando desafios e interações entre as crianças, para que avancem em suas hipóteses.

Nas entrelinhas do desenho

Pablo Picasso, famoso pintor cubista, tomava como elogio as críticas de que suas pinturas pareciam infantis. Divertia-se dizendo que levou a vida toda para aprender a desenhar como uma criança. O que há, afinal, de tão especial e intrigante nos desenhos infantis?

Entre todas as modalidades artísticas, o desenho ganha destaque pela sua importância, que vai além da pura experimentação da criança pelos materiais, espaço e próprio corpo. Passa pelo desenho a construção das demais linguagens visuais, como a pintura, modelagem, construção tridimensional e colagens.

Repare que o desenvolvimento do desenho traz mudanças significativas: o que no início são rabiscos, vão se transformando em garatujas e daí para construções cada vez mais ordenadas, fazendo surgir os primeiros símbolos. A imagem do sol, figuras humanas, animais, vegetação, carros, são freqüentes nos desenhos infantis. Vale lembrar que nem sempre o que a criança quis desenhar se parece com os objetos reais, porque são representações elaboradas na linguagem do desenho. O desenvolvimento e a ampliação dos traços acontecem pelas intervenções e interações com o mundo, e, neste processo, a criança passa por variados momentos.

Na garatuja, os pequenos acham que o desenho é simplesmente uma ação sobre uma superfície. Então, sentem prazer em constatar os efeitos visuais desta ação. A percepção de que os gestos, gradativamente, produzem marcas e representações mais organizadas, permite à criança o reconhecimento de seus registros. Com o decorrer do tempo, as garatujas transformam-se em formas definidas, que apresentam maior ordenação e podem representar objetos naturais, objetos imaginários ou mesmo outros desenhos.

Na evolução da garatuja para o desenho, com formas mais estruturadas, a criança desenvolve a intenção de elaborar imagens. No início, trabalha com a hipótese de que o desenho serve para imprimir tudo o que sabe sobre o mundo. Depois vai incorporando progressivamente códigos de representação das imagens, passando a considerar que o desenho serve para imprimir o que se vê.

Enquanto desenham ou criam objetos, eles brincam de faz-de-conta e contam histórias que exprimem seu poder de imaginar, ampliando sua forma de sentir e pensar sobre o mundo.

É assim que, através do desenho, a criança cria e recria formas expressivas, integrando percepção, imaginação, reflexão e sensibilidade, que podem, então, serem “lidas” e entendidas por outras crianças e adultos.

Escola Infantil

Na Educação Infantil a escola oferece turmas do Infantil 2 ao 5, nos turnos matutino e vespertino.

Infantil 2 – 02 anos completos até 31/03 do ano de ingresso. Turma: 16 alunos

Infantil 3 – 03 anos completos até 31/03 do ano de ingresso. Turma: 16 alunos

Infantil 4 – 04 anos completos até 31/03 do ano de ingresso. Turma: 18 alunos

Infantil 5 – 05 anos completos até 31/03 do ano de ingresso. Turma: 20 alunos

Na Educação Infantil buscamos o desenvolvimento integral da criança, considerando suas singularidades, num ambiente desafiador, afetivo e estético. A brincadeira, o jogo simbólico, o desenho, o movimento, a fala e a escrita são conteúdos fundamentais na aprendizagem e no desenvolvimento humano.

Esses conteúdos são contemplados através de ações e projetos nas diversas linguagens do conhecimento. Compreendemos como linguagem a musicalização, as ciências sociais e naturais, a matemática, a escrita, a filosofia, as artes, o movimento.

Versão para impressão

O material abaixo permanecerá no armário da sala de aula

  • 1 repelente
  • 1 caderno de desenho grande A4 para o portfólio, especificamente: Meu Primeiro Caderno – caderno de desenho – gramatura 150, preferencialmente Canson ou Norma, 40 folhas.
  • 1 caixa de giz de cera jumbo com 12 cores
  • 1 caixa de lápis jumbo com 12 cores
  • 1 conjunto de aquarela escolar
  • 1 pincel broxinha
  • 1 pincel trincha simples 2’’
  • 1 rolinho de espuma
  • 1 pote de tinta guache (preto/rosa/azul)
  • 3 caixas de massa de modelar com 12 cores – não Soft
  • 2 blocos de papel canson A3
  • 2 blocos de papel canson A4
  • 200 folhas de papel sulfite A4
  • 100 folhas de papel sulfite colorido A4
  • 3 tubos de cola bastão
  • 1 bloco de papel creative paper (ou similar)
  • 1 pote de corante alimentício (vermelho/amarelo)
  • 50 palitos de picolé com ponta arredondada
  • 1 camiseta grande para pintura usada, pois será manchada

OBS: a) As crianças que usam fraldas deverão ter, diariamente, em sua mochila, no mínimo, duas fraldas descartáveis e uma troca de roupa devidamente identificada.

            b) A agenda é fornecida pela escola.

            c) Atenção para a qualidade dos materiais.

            d) Os materiais devem vir identificados com nome e turma do/a aluno/a.

            e) O material solicitado deverá ser entregue ao professor por ocasião da entrevista individual, que ocorrerá em Fevereiro de 2019, antes do início das aulas. O referido material será usado pelo aluno no decorrer do ano.

            f) Caso não ocorra a entrevista, o material deverá ser entregue ao professor no dia 18/02/19.

Versão para impressão

O material abaixo permanecerá no armário da sala de aula

  • 1 repelente
  • 1 caderno de desenho grande A4 para o portfólio, especificamente: Meu Primeiro Caderno – caderno de desenho – gramatura 150, preferencialmente Canson ou Norma, 40 folhas
  • 2 caixas de giz de cera jumbo com 12 cores
  • 1 caixa de lápis de cor jumbo com 12 cores
  • 1 conjunto de aquarela escolar
  • 1 pincel escolar chato tamanho 8 a 14
  • 1 pincel broxinha
  • 1 pincel trincha simples 2’’
  • 1 rolinho de espuma
  • 1 pote de tinta guache (amarelo/vermelho/lilás)
  • 1 caixa de giz pastel
  • 3 caixas de massa de modelar com 12 cores – não Soft
  • 2 blocos de papel canson A4
  • 2 blocos de papel canson A3
  • 3 tubos de cola bastão
  • 1 pote de cola branca a base de PVA (para artesanato) 150g
  • 1 pote de cola para tecido
  • 1 camiseta grande para pintura usada, pois será manchada
  • 1 tesoura pequena sem ponta
  • 1 pote de corante alimentício (vermelho/verde)
  • 1 bloco de papel creative paper (ou similar)

OBS: a) As crianças deverão ter, diariamente, em sua mochila, uma troca de roupa devidamente identificada.

           b) Atenção para a qualidade dos materiais.

           c) A agenda é fornecida pela escola.

           d) Os materiais devem vir identificados com nome e turma do/a aluno/a.

           e) O material solicitado deverá ser entregue ao professor por ocasião da entrevista individual, que ocorrerá em Fevereiro de 2019, antes do início das aulas. O referido material será usado pelo aluno no decorrer do ano.

           f) Caso não ocorra a entrevista, o material deverá ser entregue ao professor no dia 18/02/19.

Versão para impressão

O material abaixo permanecerá no armário da sala de aula

  • 1 repelente
  • 1 caderno de desenho grande A4 para o portfólio, especificamente: Meu Primeiro Caderno – caderno de desenho – gramatura 150, preferencialmente Canson ou Norma, 40 folhas.
  • 2 caixas de giz de cera com 12 cores
  • 1 caixa de lápis de cor jumbo 12 cores
  • 1 caixa de lápis de cor aquarelado com 12 cores
  • 1 conjunto de aquarela escolar
  • 1 caixa de giz pastel
  • 1 pincel escolar chato tamanho 8 a 14
  • 1 pincel grosso
  • 1 pote de tinta guache (branco/verde/laranja)
  • 2 canetas para escrever em tecido
  • 3 caixas de massa de modelar com 12 cores – não Soft
  • 2 blocos de papel canson A3
  • 2 blocos de papel canson A4
  • 1 resma de papel sulfite A4
  • 3 tubos de cola bastão
  • 1 pote de cola branca à base de PVA (para artesanato) 150g
  • 1 pote de cola para tecido
  • 1 camiseta grande para pintura usada, pois será manchada
  • 1 tesoura pequena sem ponta
  • 1 bloco de papel creative paper (ou similar)
  • 1 lápis preto 6B
  • 1 pote de corante alimentício (azul/amarelo)
  • 1 estojo de hidrocor grossa com 12 cores

OBS: a) A agenda é fornecida pela escola.

           b) Atenção para a qualidade dos materiais.

           c) Os materiais devem vir identificados com nome e turma do/a aluno/a.

           d) O material solicitado deverá ser entregue ao professor por ocasião da entrevista individual, que ocorrerá em Fevereiro de 2019, antes do início das aulas. O referido material será usado pelo aluno no decorrer do ano.

           e) Caso não ocorra a entrevista, o material deverá ser entregue ao professor no dia 18/02/19)

Versão para impressão

O material abaixo permanecerá no armário da sala de aula

  • 1 repelente
  • 1 caderno de desenho grande para o portfólio, especificamente: Meu Primeiro Caderno – caderno de desenho – gramatura 150, preferencialmente Canson ou Norma, 40 folhas.
  • 2 caixas de lápis de cor aquarelado com 12 cores
  • 1 caixa de giz de cera grande com 12 cores
  • 1 conjunto de aquarela escolar
  • 1 pincel grosso
  • 1 pincel fino
  • 1 pincel escolar chato tamanho 8 a 14
  • 1 pote de guache (vermelho/marrom/branco)
  • 1 caixa de giz pastel
  • 1 estojo de hidrocor grossa com 12 cores
  • 50 palitos de picolé com ponta redonda
  • 2 caixas de massa de modelar com 12 cores – não Soft
  • 2 canetas para escrever em tecido (azul e verde)
  • 1 blocos de papel canson A3
  • 1 blocos de papel canson A4
  • 1 resma de papel sulfite A4
  • 1 bloco de papel creative paper (ou similar)
  • 4 tubos de cola bastão
  • 1 pote de cola branca à base de PVA (para artesanato) 150g
  • 1 camiseta grande para pintura, pois será manchada
  • 1 tesoura pequena sem ponta
  • 2 lápis preto nº2
  • 2 lápis preto 6B
  • 1 pote de corante alimentício
  • 1 pasta A4 com elástico

OBS: a) A agenda é fornecida pela escola.

           b) Atenção para a qualidade dos materiais.

           c) Os materiais devem vir identificados com nome e turma do/a aluno/a.

           d) O material solicitado deverá ser entregue ao professor por ocasião da entrevista individual, que ocorrerá em Fevereiro de 2019, antes do início das aulas. O referido material será usado pelo aluno no decorrer do ano.

           e) Caso não ocorra a entrevista, o material deverá ser entregue ao professor no dia 18/02/19.

Infantil 2/3 matutino
Desde os tempos mais remotos, o homem aprendeu que, assim como as fases lunares, as estações do ano influenciam nas colheitas, plantios, mares, estado de humor e espírito das pessoas. Observar as mudanças na natureza e suas influências no metabolismo do corpo são essenciais para a nossa saúde, porém muitas vezes esquecidas. Cada estação traz consigo características únicas, da mesma forma que cada um de nós.
O outono: o percursor do inverno. Uma estação de significativas mudanças. As folhas caem, os galhos secam, os riachos e rios se reciclam e diminuem seus volumes…tudo muda.
O inverno: estação em que a natureza hiberna e conserva sua energia. Cultiva os recursos que irão florescer na primavera.
A primavera: é o renascer da vida. Passada a reciclagem do outono e o recolhimento do inverno, tudo nasce novo. É um belo exemplo que a natureza nos dá. Sempre há tempos de renovar!
O verão: Estação em que a natureza brinda todas as mudanças que iniciaram na primavera. É o ápice das estações. Quando se percebe vida em todos os reinos. Quando o sol brilha com intensidade e possibilita que a natureza entre em estado de esplendor.
Assim ocorre o Projeto Culinária das Estações, com receitas coletivas, de família e criadas pelo grupo para cada estação do ano. O registro será marcado por produções gráficas dos alunos sobre o trabalho, usando diversos suportes artísticos.
Professoras Grazyela Fiuza Lima e Rafaela Amaral

Infantil 4 matutino

Descobrindo Monteiro Lobato e os personagens do Sítio do Pica Pau Amarelo
Apresentar aos alunos a literatura de Monteiro Lobato, em especial o Sítio do Pica Pau Amarelo e todos os personagens que habitam o Sítio e, junto deles, viajar nesse mundo imaginário, cheio de aventuras e brincadeiras.
OBJETIVOS:
Conhecer um pouco sobre Monteiro Lobato (trazendo mais a fase criança, do que ele gostava de brincar, seus brinquedos e lugares preferidos…)
Mobilizar o gosto por histórias e a contação das mesmas
Desenvolver a criatividade e o imaginário
Instigar a curiosidade
Resgatar brincadeiras
Professoras Lucilene e Renata

Infantil 5 matutino
Projetos Estudos Diversos – Eu me Pergunto
O projeto abordará temas e perguntas que mobilizam o interesse dos alunos, previamente pesquisados com o grupo. Os temas estudados serão:
-Aviões
-Animais que voam
-Tubarões
-Animais da Floresta
-Tartarugas
-Navios
– O que tem dentro das pessoas
Para abordar a investigação, trabalharemos as perguntas que, inicialmente, serão “respondidas” considerando as hipóteses que o grupo elabora. Em paralelo, empreenderemos nos estudos e pesquisas sobre cada uma delas. A produção final será um livro contendo a pesquisa, as hipóteses e o resultado dos estudos.
Professora Lena

Infantil 2 – vespertino

Quatro Elementos e Plantio
O grupo do Infantil 2 V desenvolve o Projeto Quatro elementos da Natureza (água, terra, fogo e ar). Para tanto, o uso da horta da escola é de grande importância uma vez que neste espaço as crianças experienciam o plantio, os cuidados e o conhecimento da terra, seus aromas e texturas.
O início da pesquisa acerca do elemento TERRA terá como suporte teórico o clássico conto “João e o pé de feijão”. Os “feijões mágicos” serão germinados fora da terra, depois plantados na horta. Os alunos vivenciarão o plantio das mudas e acompanharão seu desenvolvimento, com o compromisso de regar e cuidar semanalmente.
Professoras Fabíula Oliveira e Renata Paniágua

Infantil 3 – vespertino

Projeto “Casa de Bicho”
A brincadeira de casinha é frequente escolha das crianças do Infantil 3 que se organizam em “famílias” (geralmente de animais, sejam eles cachorros, gatos ou dinossauros) reproduzindo o cuidado, o medo, os mistérios e perigos da vida, as diferenças e dificuldades dessas relações e principalmente, uma ideia de casa como local de aconchego, abrigo e segurança. Casas que podem tomar diferentes formas, como tocas, cabanas, navios e etc.
Nesse brincar, as crianças (re)criam, (re)interpretam situações da vida cotidiana, ampliando suas relações e cada vez mais inserindo-se em um contexto social, descortinando o mundo a sua volta e descobrindo-o para além da sua casa e família, a excitação e curiosidade por tantas descobertas misturam-se às inseguranças e incertezas. O potencial criativo proporciona repertórios repletos de mistérios e fantasia, unindo elementos e personagens de histórias e desenhos que assistem às suas próprias experiências.
O cuidado com os espaços construídos coletivamente e com aqueles que também ocupam esses espaços, possibilita uma relação mais afetuosa e consciente consigo e com a primeira casa de seu ser (o corpo), e também com a casa de todos (o universo).
Considerando esses aspectos observados e as reflexões em relação às brincadeiras das crianças do infantil 3, as vivências relacionadas ao bicho Sarapiquá, o eixo norteador “Práticas Coletivas” e a natureza que as rodeia nesse e em outros espaços da nossa cidade,  surgiu o projeto “Casa de Bicho”.
Professoras Júlia e Rose

Infantil 4 – vespertino
– Viagem ao fundo do mar. A perceptiva deste projeto é possibilitar ao grupo a construção de relações entre a história de cada um e a história da cidade, a partir de elementos da cultura da Ilha de Santa Catarina.
– Culinária – Pães do Mundo

Infantil 5 – vespertino
Projeto Nossa Vida com os Insetos
As formigas estão presentes em quase todos os lugares e na nossa Escola não é diferente. Logo a grande quantidade de formigas andando pelo pátio da Escola despertou o olhar do grupo. A vida de um formigueiro lembra a vida coletiva e assim, a  possibilidade de experienciar o viver com o outro, e refletir com os alunos sobre aspectos da vida coletiva. Esta é organização social que merece cuidado e atenção em cada relação estabelecida, seja com o colega, seja com insetos da escola, ou outros seres com que compartilhamos experiências e aprendizagens.
Na relação com os insetos, com os outros, consigo mesmo, vamos tramando o saber com o não saber, e o ser com o não ser.
Professora Valdelene Vieira

Projetos coletivos

O Projeto Culinária e o Projeto Parceria são desenvolvidos com todas as turmas do Infantil e do 1º Ano matutino e vespertino. Esses projetos fazem parte de uma prática pedagógica da escola, considerando os aprendizados que trouxeram e que vem trazendo.

O Projeto Culinária amplia o trabalho já realizado pela escola em relação à nutrição dos alunos. Propõe realizar atividade semanal de culinária com as turmas do Infantil II ao Infantil V e quinzenal com as turmas do 1° Ano matutino e vespertino. No projeto, entre outros conteúdos, é abordado o cuidado necessário com os alimentos, saber de onde eles vêm e a paciência necessária no preparo de uma refeição, assim como a importância do compartilhar o que foi feito por todos. “Muitas vezes é no coletivo que as crianças descobrem um novo sabor”, comenta a coordenadora Márcia Castello Branco.

O Projeto Parceria consiste em oportunizar encontros semanais, planejados e agendados, entre duas ou mais turmas. Estes encontros variam de momentos quando uma turma compartilha com outra um assunto estudado, por exemplo, e encontros mais constantes, como as atividades de Yoga desenvolvidas pelas turmas do infantil II e III vespertino. Este projeto contempla momentos como uma brincadeira planejada no pátio, uma contação de história, uma música, o dia do brinquedo, uma comida, um lanche, todas essas são possibilidades de encontro, de parcerias.

Neste processo é levado em conta o que o aluno sabe, como ele utiliza e mostra este saber, e o que precisa aprender. Para isso é observada a sua produção, envolvimento com o tema estudado, a sua postura em sala de aula: a participação, o compromisso e o interesse.

Na escola infantil, a avaliação é consolidada em relatórios trimestrais de grupo e individuais e em portfólios que descrevem os conteúdos trabalhados, as aprendizagens e os desafios lançados. As avaliações são entregues aos pais em reuniões coletivas.

O conselho de classe, que acontece trimestralmente, é um momento de encontro de toda equipe pedagógica para discutir, coletivamente, as questões relacionadas à aprendizagem e à prática escolar.